Testei a minha passada com o FOOT ID da Asics

Uma repórter foi experimentar o FOOT ID da Asics e explica porque é que estes testes ao pé são essenciais antes de comprar uns ténis de corrida.

Pode não parecer, mas comprar calçado específico para corrida não é tarefa simples. Se entrar numa loja, pedir ajuda a um colaborador e o argumento dele for “leve estes ténis, que são os modelos mais recentes e são os mais indicados para corrida”, o melhor é procurar outra loja. Isto porque há vários pontos a ter em conta antes de fazer esta compra, e provavelmente vai precisar da ajuda de um especialista.

Uns bons ténis de corrida é o maior investimento que terá de correr para uma boa prática de corrida

Felizmente o estilo de vida saudável está na moda, e com ele, a corrida tem vindo a tornar-se uma prática cada vez mais comum. Pode fazê-la sozinho ou acompanhado, de manhã ou ao final do dia e não precisa de gastar dinheiro quase nenhum. Só precisa mesmo de fazer um investimento: – uns bons ténis de corrida.

É a pensar nessa necessidade que várias lojas dedicadas ao desporto contam com testes que medem a passada dos clientes: há os pronadores, os neutros e os supinadores e para cada tipo há um calçado mais indicado, que corrige a má postura do corredor.

Nas lojas Asics, o teste da passada é bastante completo, e permite que conheçamos o nosso pé em pormenor. Chama-se FOOT IT e está disponível em qualquer loja Asics pelo custo de 19€, valor que é devolvido ao cliente na compra de uns ténis de valor igual ou superior a 100€. Até 31 de março, o teste é gratuito na loja da marca do Centro Vasco da Gama.

Nas lojas Asics, o teste da passada é super completo e divide-se em duas etapas

Quando cheguei à loja, depois de me perguntar a idade, peso e altura, a técnica que me atendeu quis perceber o tipo de corrida que pratico. Corro não mais que três vezes por semana em distâncias não muito longas (8 a 10 quilómetros no máximo), numa velocidade moderada e relativamente constante. Tudo isto é relevante, uma vez que para além do tipo de passada, os ténis adequados variam também conforme o tipo de corrida.

Passámos ao teste, que é dividido em duas etapas – a estática e a dinâmica. A primeira consiste em colocar o pé dentro de um scanner que inclui quarto lasers e oito câmaras que fazem uma leitura 3D, medindo o pé de sete formas diferentes: – comprimento, perímetro, altura, arco, largura, ângulo do calcanhar e ângulo dos dedos. Só aqui concluiu-se que o pé direito é meio centímetro mais comprido que o esquerdo, logo, é neste último que me devo apoiar para saber o número que calço. Quanto ao arco do pé, tem um bom ângulo: se fosse um pé mais chato, influenciaria negativamente a passada.

Para a etapa dinâmica, calcei uns ténis neutros que não se vendem na loja, mas são específicos para este teste, já que são desenvolvidos para exercer o menor impacto possível sobre o movimento natural da passada.

Com estes ténis, corri durante um minuto à velocidade de 10 quilómetros por hora, numa passadeira que é combinada com uma câmara de alto desempenho que regista em vídeo a minha corrida, que é filmada por trás.

Com este vídeo é possível saber especificamente qual a rotação do pé na fase plana e o ponto do contato inicial com o chão durante a corrida. Permite também conhecer o ângulo do calcanhar, que indica a estabilidade do pé – ou falta dela – durante o movimento. São estes dados que permitem encontrar a sapatilha mais apropriada ao tipo de passada individual.

No meu caso, o pé esquerdo tem uma passada neutra enquanto o direito tende a uma pequena pronação – ou seja, faço o contato inicial com o solo com o calcanhar exterior e consequentemente, na impulsão (quando retiro o pé do chão), apoio-me mais no lado interno do pé. Com o cansaço, o pé direito tende a pousar como o esquerdo.

Por isso, o calçado mais indicado para mim, de modo a corrigir algum erro de postura, evitando lesões e melhorando a performance, são uns ténis com maior amortecimento na parte do calcanhar.

Ainda na etapa dinâmica, foi possível verificar que a direção dos meus dedos é neutra. Caso colocasse os pés para fora, como acontece com muita gente, a minha passada seria mais crítica.

As conclusões deste teste, conjugadas com o meu peso e tipo de corrida que pratico, resultaram no GI 2000-4 – a mais recente versão deste modelo. É um sapato indicado para curtas distâncias, com sola reforçada na zona do calcanhar, que garante estabilidade e durabilidade.

Para comparação, corri mais um minuto a velocidade 10 na passadeira, agora com os ténis que me indicaram. O conforto foi automaticamente notado e não tenho dúvidas de que, em corrida, irei também notar uma melhor performance, agora que corro com um calçado indicado e tenho maior noção da fisionomia do meu pé e tipo de passada.

O modelo indicado pela técnica, que resultou do teste FOOT ID, custa 140€ nas lojas Asics. Descubra qual é o seu!

Categorias
Vida Saudável
Partilhar

Tudo o que precisa num único espaço